feminismo

De quem é o direito de legitimar a minha voz?

Em tempos de descortinar opressões e preconceitos, esses dias eu quis questionar sobre a legitimidade das minhas dores. Eu, mulher, branca, graduada, mestranda, filha de professores com pós graduação (mestrado e doutorado), casada com professor universitário. Eu, classe média cheia de privilégios e facilidades. Eu quis, mais uma vez na minha vida, diminuir a minha […] Read more…

 

Amamentar é revolucionário

Por Raisa Arruda, Psicóloga (CRP 11/07646) Ele mama, enquanto eu brinco de morder sua fofura, ele se desmancha em sorrisos enquanto mama, e eu me desmancho em amor. Amar não é fácil, quando você vive numa cultura que te bombardeia com imposições para se centrar em si própria, amar dói porque te rasga ao avesso, […] Read more…

 

Pelo direito de ser mãe.

Esses dias me deparei constantemente com várias reclamções maternas, e resumidamente tinham a vê com a falta de espaço para maternidade. Sim, falta espaço, porque aquele espaço kids de shopping e restaurante não serve, a propaganda enaltecendo a escravidão materna como algo bom, é quase um discurso medieval para manter os servos na posição de […] Read more…

 

Por que tanta angústia?

Ontem minha licença maternidade chegou ao fim, e por questões da ordem da necessidade, retornei ao trabalho. Bom, não foi fácil, foi o primeiro dia, e nada que você escuta nesse momento agrada ou acalma, por um simples motivo: eu não acho normal, nem acho correto, se acostumar ou adaptar ao sofrimento. E por que […] Read more…

 
Raisa Arruda ~ 2018