Resolvi escrever um post dedicado ao papel da Doula pós-parto dentro do contexto da perinatalidade.

Sempre que me apresento como Doula pós-parto, ou que divulgo trabalho em algum grupo, surgem as mesmas dúvidas das gestantes e/ou puérperas. Geralmente me abordam querendo me contratar como Doula parto, evidenciando, ainda, pouco conhecimento sobre essa função.

Mas, o que faz a Doula pós-parto?

Se a Doula parto acompanha a gestação e o trabalho de parto, oferecendo suporte emocional durante período em que o corpo trabalha para trazer o bebê ao mundo, a Doula pós-parto vem para fazer (também) o trabalho emocional depois que esse bebê nasce.

Ocorre que, quando o bebê chega, são poucas as pessoas que conseguem enxergar a mulher recém parida, a mulher que deu lugar a mãe e que, certamente, está confusa em relação ao novo papel e, talvez, perdida em meio aos sentimentos. A novidade de ter um novo membro na família mexe com a curiosidade de todos que cercam e que desejam dar as boas-vindas.

A mulher segue ali, em segundo plano, submersa no tarefa de alimentar e cuidar do bebê. A mesma mulher que cuida, não está sendo cuidada. Está com o peito cheio de questões, de emoções, muitas vezes é repreendida quando demonstra qualquer sinal de tristeza e dúvidas, como se maternar fosse instintivo e fácil. O peito está cheio de leite, muitas vezes o bebê não acerta a pega de primeira, aparecem as fissuras no mamilo, as dores ao amamentar, a vontade de desistir da amamentação… Muitas vezes esses problemas vem associado a pouco apoio e a muitos julgamentos. Os palpiteiros cercam, falam muito e ajudam pouco.

“Opa! Nasceu um bebê, a mãe saberá exatamente o que fazer. ” Será?

A casa, antes arrumada, com rotinas estabelecidas e definidas, está um caos. A pia cheia de louça, a comida tem que ser a mais prática possível e essa praticidade, na maioria das vezes, está associada a comida congelada industrializada, indo contra a necessidade de ter uma alimentação saudável, para que possa oferecer leite materno de qualidade para o bebê. Tomar água? É possível que esqueça. Escovar os dentes, tomar banho, atender as necessidades fisiológicas? Algumas passarão em branco por um período. Para as mais vaidosas, é possível que o tempo para ir ao salão fique comprometido.

A Doula pós-parto trabalha com as questões emocionais da puérpera e com a organização do ambiente familiar. Oferece apoio nas tarefas domésticas, auxilia nos primeiros cuidados com o RN e com a amamentação, acolhe as angústias da mãe, fica com o bebê para que a mãe possa descansar ou fazer alguma outra atividade, ajuda com outros filhos e, em alguns casos, ajuda a desenvolver uma nova rotina.

Sobre a contratação:

O contato pode ser feito ainda na gravidez, para quem deseja criar um vínculo antes do parto; Ou depois, quando achar que realmente é necessário ter uma ajuda profissional.

Há o primeiro encontro para uma breve entrevista e para que família e doula possam se conhecer melhor. Feito isso, acerta-se pacote de atendimento e valor. Além de Doula Pós-parto, também sou consultora em amamentação. Pode-se contratar um serviço, outro ou ambos. Fica a critério da contratante e da necessidade ou urgência das demandas.

Atendimento especial e valor flexível para mães solo, mulheres de baixa renda e usuárias do SUS (para quem fez pré-natal + parto).

Para as gestantes e puérperas que desejam contratar meus serviços, deixarei meus contatos:

  • (85) 9.8601-7541 (Oi – whatsapp)
  • E-mail: laiscapimaia@gmail.com
  • Instagram: laiscapi (também respondo por direct)

 

A maternidade não precisa ser solitária, triste e sobrecarregada. Você pode chorar, pode sentir-se estranha e pode falar sobre isso. Não deixe de procurar ajuda.