Muita gente me diz que já tentou ter um blog e não conseguiu manter por diversas razões, ou me perguntam sobre o que poderiam fazer um blog e sobre o que podem escrever.

Nem sempre meu blog foi sobre psicologia. Eu já tive uns quatro blogs de crônicas, um blog de psicologia no dia a dia escolar, um blog sobre reflexões na maternidade, e enfim, este blog, tal qual vocês o conhecem.

Eu acredito que existem algumas coisas a se pensar antes de ter um blog, para sistematizar mesmo, e você não desistir no meio do caminho, porque uma hora tal assunto não faz mais sentido na sua vida. A vantagem do blog é a versatilidade dele, porque é pessoal, e por isso, é mais leve. Eu amo psicologia, mas minha vida é tão multi, que ficar só na psicologia da maternidade já estava sendo um pouco sacal para mim, até porque a maternidade não é algo estático, e eu comecei a me questionar porque o blog precisava ser sobre um assunto só?

Eu encontrei um blog maravilhoso, Pigmento F, e por acaso, quando eu estava buscando sobre calendário editorial, encontrei um texto que caia exatamente na minha inquietação de estar presa numa temática só, e você pode ler esse texto aqui!

Então, vamos lá!

  1. Um blog precisa ter uma temática principal

Reflor&Ser tem como temática principal as transformações da mulher após a maternidade (seja ela consumada ou não, porque a maternidade nos atravessa durante toda a vida,  então quando temos um filho ou seguimos sem ter, isso causa sim transformações internas).

Você pode ter como temática principal suas reflexões sobre a vida, e desta forma, o blog ter uma pegada crônicas pessoais do cotidiano, estilo de vida e tal. Ou pode ser um assunto que você goste muito, e os adjacentes, por exemplo: beleza, que puxa moda, decoração, maquiagem, viagens…

2. Faça pesquisas sobre os temas que você goste, leia outros blogs e liste t-u-d-o.

Então, com a temática definida, no começo a gente tem ideia saindo por todo lado, com o tempo a gente começa a perder esse BUM! de inspiração, e o blog começa a ficar uma coisa chata de se manter.

Ler outros blogs e listar referências é uma maneira maravilhosa de manter a inspiração se atualizando constantemente. Além de você encontrar comentários dos leitores e entender o que eles querem ler. Fora que quando você lê um texto de outra pessoa, surgem idéias ou respostas para suas próprias questões, e você pode fazer um texto como esse que você está lendo, por exemplo, que começou pela leitura de outro texto num blog de outra pessoa.

Fazer listas é interessante porque você cria palavras geradoras, e mais do que lista de palavras, não deixe de fazer painéis de inspiração, imagens despertam pensamentos e fazem girar a criatividade.

Não deixe de ler matérias sobre o assunto, também. Aqui, é algo que eu leio o tempo inteiro porque eu trabalho com isso. E mesmo assim tem dias que não existe organização mental para conseguir escrever.

Dica: Leia tudo, mas sempre se dê uma pausa para organizar as ideias e os pensamentos! 

3. Calendário Editorial 

Vocês lembram que uma vez por semana (ou duas) nós tínhamos aulas de redações? Lembram que independente da inspiração produzíamos textos de acordo com os tópicos sugeridos?

Então, hoje eu tenho o calendário editorial como os tópicos das redações, me ajuda a manter a prática da escrita, e eu tenho tópicos que me direcionam. E eu vou ter que escrever sobre aquilo de qualquer forma.

Não é fácil, certo? Eu passei esse ano inteiro tentando manter um calendário editorial, mas não consegui me organizar até agora, porque esse mês é que as coisas estão começando a funcionar.

Como eu reorganizei as categorias (mas ainda falta organizar muito mais, porque eu quero enxugar o máximo as principais e destrinchar em sub-categorias, porque fica mais organizado ainda), e me libertei para poder falar de tudo o que eu gosto e que está ligado ao tema principal do blog, além de contar com pessoas maravilhosas como colaboradoras, tudo tem fluido mais.

Com a lista de tópicos, palavras e inspirações, você pode definir os tópicos por semana, e depois você categoriza. Desta forma você sabe que tal dia você vai falar sobre tal tema, isso ajuda a buscar referencias, ler outros blogs, encontrar imagens, e criar seu texto. E a vantagem é que você acaba encontrando dentro de um mesmo tópico vários temas para textos.

Bom, mas isso tudo é a coisa prática, o de como-fazer, mas antes de fazer existe todo um movimento nosso, de ter coragem de acordar, sentar e escrever; ou de não enrolar, ou de não sabotar a si mesmo durante esse processo. E isso vai depender do motivo pelo qual você criou o blog!

Às vezes, a gente cria um blog despretensiosamente, e acabam aparecendo pessoas que realmente gostam do que escrevemos, e a gente cria uma relação de responsabilidade com o conteúdo. Outras vezes, o blog continua sendo um passatempo, e isso é ótimo, também, mesmo com pessoas gostando do conteúdo, você consegue estabelecer uma relação com seu leitor que ele entende seu movimento com o blog e não vai te cobrar por isso.

Eu já passei por algumas fases relacionadas ao fato de ter um blog, desde de o achar que isso não servia mais pra nada, até o de achar que não tinha nenhuma inspiração. Ou de achar que meu conteúdo era uma bela porcaria e que eu deveria ter noção e parar de sonhar em ser algum tipo de escritora. Só que hoje eu tenho consciência de onde esses pensamentos vem, e porque eles me perseguiam quando o blog tava indo bem.

Entender a relação que você quer ter com o blog vai fazer toda diferença na maneira de trabalhar com ele.

Então, é isso! Você já sabe sobre o que quer escrever no seu blog? Comenta e deixa o endereço do blog pra gente conhecer!

Beijo

Raisa