Ir ao Shopping é sempre uma saga, para todas as mães de crianças pequenas. Agora, essa saga ser estressante, cansativa e irritante, vai depender de como nos preparamos para isso.

Jessica Alba: Holiday Shopping with HonorResolvi falar sobre isso hoje, porque estávamos no Shopping, e acabamos numa loja de brinquedos para comprar a Senhora Batata pro Hugo, já que ele já tem o Senhor Batata. Temos uma lista de brinquedos que queremos dar ao Hugo ao longo de seus dois anos, isso inclui uma casinha, carrinho de compras, cesta de piquenique com frutas e legumes, um boneco e uma boneca, quebra-cabeça, um teclado (que não tenha músicas pré-prontas), uma direção que possa grudar na janela do carro e ele possa dirigir enquanto está na cadeirinha… Enfim. Na hora de pagar o brinquedo, tinha uma mãe com uma menina de dois ou três anos na fila, que tinha escolhido um brinquedo, e aí o vendedor leva o brinquedo para tirar nota, pra você pagar, nesse momento, a criança teve uma explosão, porque queria segurar seu brinquedo, e a mãe, morrendo de vergonha, levou a menina aos prantos para o canto da loja e deu-lhe umas três palmadas. Bom, é CLARO, que a menina não parou de chorar, só parou de chorar quando alguém teve o bom senso de dar outra caixa com o mesmo brinquedo para ela segurar, enquanto caminhavam na fila.

Normalmente, quando presencio uma mãe desesperada e uma criança chorando, elas sempre olham pro Hugo e falam, “olha, fulaninha, ele é menor e nem está chorando”, eu penso que mal sabe ela como os ataques de birras do Hugo são… De todo jeito, eu sempre me dirijo à criança e falo “é não mamãe, é muita luz, muito som, muito brinquedo, qualquer pessoa fica nervosa no meio dessa bagunça, né, bebê?” e aí continuo conversando com a criança, olho para a mãe e digo que vai passar, é só ter calma, e sigo. Hoje não consegui fazer isso, porque estava atenta ao Hugo, que já tinha dado sinais que logo iria começar entrar num nível de estresse que eu seria a mãe desesperada para que aquilo passasse, e pudesse seguir em paz.

Saí da loja conversando com Rodrigo, sobre o quanto nós adultos nos distanciamos das emoções e sensações das crianças, ou como não conseguimos olhar para elas como pequenos seres que estão se introduzindo ao meio, e à uma cultura, e que isso demora para se estabilizar (veja só, nós, adultos, temos dificuldade também, só lembrar da reação exagerada do esposo da Fabíola, aquela do motel e das unhas…) .

Então, para que o passeio no shopping ou aquele momento na loja de brinquedo não seja uma odisseia, criei um pequeno manual de sobrevivência:

Natal, Crianças e Shopping

  1. Leve em consideração a idade de seu filho, quanto mais novo, menos ele aguenta a exposição a sons, luzes e multidões: bebês e crianças pequenas ainda não possuem filtros, eles absorvem todos os estímulos do ambiente, e isso é muito, muito, muito estressante para seu pequeno cérebro em formação.
  2. Saia de casa com todas as necessidades básicas garantidas: fralda, banho, comida, água. Se ele ainda mamar, de mamar antes de entrar na loja, ou em algum momento lá dentro, para que ele se acalme.
  3. SLINGUE-SE, carrinho expõe a criança aos estímulos, o sling esconde a criança disso, e não se engane, esses estímulos não são legais, crianças expostas à muitos estímulos ficam bastante agitadas, ativas e ansiosas, e eu tenho certeza que isso é tudo o que você não quer para seu filho.
  4. Crianças ainda estão formando as conexões cerebrais, e isso significa que seus comportamentos também estão em formação, e sua compreensão de mundo e das regras, mesmo que você tenha ensinado milhões de vezes a mesma coisa, ela ainda não alcança, não porque ela não queira, mas porque ela não consegue. LOGO, respire, e abrace. Ela vai chorar, vai espernear, vai gritar, vai até tentar morder, mas ainda assim, ABRACE. O abraço é o melhor limite que você pode dar para sua criança, porque ele é físico, contato pele a pele da criança com alguém que ela ama acalma. O abraço é um limite maravilhoso, porque da borda ao corpo da criança que no acesso de raiva parece se fragmentar, e ela precisa ser contida. (quando adultos brigam, normalmente abraçamos, com mais força é claro, mas contemos os adultos dentro um abraço, mesmo que ninguém perceba que aquilo é um abraço, é círculo fechado entre os braços? então é um abraço!)
  5. Não se preocupe se ela está tirando os brinquedos das prateleiras, correndo pela loja, ou coisa do tipo, a loja é de brinquedo, ou seja, deveria ser para crianças, depois vocês podem arrumar, vã ensinando que ao tirar uma coisa do lugar ela tem que colocar de volta antes de pegar em outra. Sem brigar, apenas ensine, quando ela estiver preparada para entender, ela vai entender, e você vai tomar um susto com o salto de compreensão e de comportamento da sua criança.
  6. Nunca, nunca, nunca, minta ou faça algum tipo de chantagem: isso diminui a confiança dela em você, aumenta a insegurança dela no ambiente, o medo, e a angústia, e vai aumentar à milionésima potência os ataques de birras. (isso serve para deixar a criança sozinha no meio do ataque ou se esconder, ok?!)
  7. Antes de sair de casa pense se é mesmo necessário levar seu filho junto para o shopping, se você puder evitar, evite. Troque o passeio ao shopping pela praça. Você vai economizar bastante, vai possibilitar experiências saudáveis, e fazer com que a criança descarregue a energia contida, e acredite: vai diminuir consideravelmente os ataques de birras e nervosismo na rua. 
  8. Leve consigo sempre o brinquedo favorito, NÃO SIGNIFICA TABLET OU CELULAR, estímulos visuais AUMENTAM o estresse (volte para o item 1 e 2!)
  9. Não associe a saída ao shopping a compras de brinquedos novos, dessa forma, quando vocês entrarem numa loja, seu filho não vai associar a compra, e quanto mais novo, melhor de fazer isso, porque ele pode se contentar só em brincar com o que está exposto e sair sem pedir nada. Os brinquedos comprados em acessos de birra ou idas ao shopping costumeiras são os que as crianças descartam mais rápido, pois eram frutos de uma curiosidade momentânea. 
  10. Vá cedo, e não demore. Depois do Shopping vá em algum lugar ao ar livre, para que a criança possa gastar a energia que foi gerada diante dos estímulos.
  11. Nunca, nunca, nunca, nunca humilhe sua criança, ou seja, não a compare com outra criança ou bata nela. (volte ao item 6)

 

Espero ter ajudado com essas dicas.

Neste link Lista de Praças Amigas da Criança em Fortaleza você pode conferir a lista de 50 praças que serão reformadas com brinquedos para crianças em Fortaleza, algumas já estão prontas, aqui nós vamos sempre para a Praça da Imprensa e, agora, para a Praça da OAB, e como numa cidade praiana, as outras opções pode ser caminhar no Estoril na Praia de Iracema, o Calçadão ou o Jardim Japonês na Beira Mar são sempre boas saídas em família.

Se você gostou, compartilha com seus amigos! E não esquece de deixar sua opinião. Sugestão de posts, ou aprofundamento sobre alguma coisa citada no post, so mandar uma mensagem: clicando aqui!

Beijo grande!