Esses dias eu vinha da escola do Hugo para o consultório, no caminho tem uma série de rotatórias, e retornos, e ruas que precisam atravessar uma avenida para continuar. Eu inclusive muitas vezes preciso fazer algum retorno ou atravessar uma avenida para chegar onde preciso. E aí, aprendi uma coisa sobre trânsito, sobre caminhos, sobre seguir adiante. Quem primeiro me atentou para isso, foi meu marido. Baixar Stock Image asfalto, estrada, rotao, floresta Papis

Ninguém quer seguir adiante, fazer um retorno mais à frente, sem prejudicar o fluxo, as pessoas preferem parar o fluxo, pensando apenas no próprio caminho. E disse que em Recife os retornos são sempre distantes, para que o trânsito não pare por qualquer coisa, então, normalmente você segue em frente, e faz a volta num quarteirão, pegando um sinal, para cruzar uma avenida e retornar. Você contorna as vias, para fazer um retorno, sem parar o fluxo de carros que seguem em frente.

E isso ficou. Essa imagem sempre ficou na minha cabeça. Quando eu fui pra Recife, cidade natal do meu marido e que ele vive fazendo comparações com a engenharia de trânsito de Fortaleza, eu entendi o que ele quis dizer. E voltei observando meu comportamento no trânsito. E de fato, a gente pára o trânsito para fazer um retorno, a gente pára tudo para decidir pra onde vai. A gente não vai em frente, e volta quando dá. Para ir pra casa da minha mãe, faço o mesmo caminho do consultório até certo ponto. E preciso atravessar uma avenida, que é impossível, você demora anos para conseguir. Eu sempre ficava ali aborrecida, muitas vezes fazendo alguma manobra arriscada, porque também não sou dessas que sai botando o carro na frente pra abrir espaço. E aí, aprendi a seguir, ao invés de ficar parada naquele pedaço sem continuação de rua, para entrar na avenida, eu vou para outra rua, ando mais um pouco à frente, e volto. Sem problema. Não perco tanto tempo empacada numa situação, vou e volto. E muito mais rápido.

E semana passada eu constatei que tenho feito isso todos os dias. Eu sigo adiante. Se aparecer uma rotatória, e por alguma razão, eu precisar retornar, eu retorno. Se não, sigo em frente. Fazendo as pausas necessárias, mas sem empacar, sem ficar presa numa situação na qual eu precise que os outros se reorganizem para que eu possa me organizar, e seguir o meu caminho. O caminho é meu, e eu não posso entregar a responsabilidade de fazer com que as coisas andem para outras pessoas, essa responsabilidade é minha. E eu passei tanto tempo parada, naquela rua sem continuação, esperando os carros passarem, para que eu pudesse entrar na avenida. Vê como essa imagem diz tanto sobre nossa vida e nossas escolhas: ficamos parados de frente à um muro, podemos entrar para a direita ou para a esquerda, mas para isso, precisamos que algum carro passe mais devagar, ou que não passe nenhum, ou que alguém tenha a boa vontade de nos deixar entrar. 

um grande congestionamento

E a ansiedade? De chegar logo em algum lugar? Já quase bati meu carro diversas vezes na chegada à escola do Hugo, porque as pessoas não querem andar dois quarteirões para fazer o retorno no lugar certo, fazem na contra mão. Isso é parar o fluxo, retroceder a própria vida, e a vida dos outros, que estão no caminho, que estão seguindo adiante. Entende? Você vai de volta pelo mesmo caminho que já fez, na contra-mão, no contra-fluxo, impedido que as pessoas que seguem o fluxo, sigam. Desperdiçando energia. Qual o problema de contornar? Por que temos a mania de bater de frente?

O que eu aprendi sobre o trânsito, sobre a vida, sobre os caminhos é que devemos seguir adiante, do jeito que der, do jeito que for, com as pausas necessárias para se recompor, para repensar o caminho, mas que devemos seguir. Juntar forças para seguir o fluxo é muito mais simples do que perder forças lutando contra ele.

E você? Tem contornado as situações ou tem batido de frente com elas? Tem seguido seu caminho, ou tem lutado contra o fluxo? Anda na contramão, para chegar mais rápido em algum lugar, mesmo que pelo caminho errado? Ou desfruta do tempo, e do percurso, e do aprendizado, para chegar sereno onde precisa chegar?

Uma segunda-feira cheia de energia para você, com muita força para seguir adiante!

Beijo grande!

Raisa Arruda