A gravidez acabou, um nascimento aconteceu e agora temos … Um bebê! Real , que chora, mama , faz xixi e cocô (se for como o meu: 10 por dia), que solicita colo (24h por dia?!). Sim!!! E todos à nossa volta estão muito felizes com a chegada desse novo ser, tão fofinho, todo mundo quer visitar, tirar foto, pegar no colo… E a nova mãe nesse turbilhão, ali, descabelada, olheiras, será que escovou os dentes hoje?! Também quer colo!

Amamentação_Puerpério
Imagem por Iara Aimê Fotografia
O puerpério é esse turbilhão de sentimentos, por vezes antagônicos mas que se complementam sim! É um misto de euforia e tristeza , de medo e garra. De intenso amor e frustração . E tudo isso convivendo na mais harmônica desarmonia! Bem vind@s ao puerpério!
Aquele momento em que uma palavra fora do lugar faz a recém mãe jogar o computador caríssimo do marido na parede , colocar o recém nascido no sling , sair batendo a porta para a casa da mãe (para voltar no dia seguinte, linda e mansa).
Ou então, movida pela amnésia puerperal esquece a chave na porta (várias vezes) ou até mesmo esquece o peito de fora após uma mamada e sai por duas quadras de uma importante avenida, puérpera, leve e solta!
E tem sempre alguém que parece saber lidar com seu filhote melhor que você! A mãe, a sogra, o marido, a amiga (ou a filha dela!). E o sentimento de ser a pior mãe do mundo assombra essa mulher incrível  que está se desdobrando dia e noite , sonhando apenas  com 3 horas de sono seguidas, escovar os dentes duas vezes por dia e… Lavar o cabelo!
Revisitados mil e uma vezes nossa gravidez , nosso parto procurando o que poderíamos ter feito melhor.
O que nos salva é que no meio de tudo isso vai se instalando no nosso coração o maior amor que já sentimos por um ser nesse mundo. O tempo desse amor também é diferente para cada mulher , para cada história, mas ele vem e recompensa cada desafio. O que mais precisamos? Rede de apoio! Não só para segurar o bebê: mas para lavar a louça, a roupa, providenciar o almoço e pagar aquela conta   atrasada, olhar no olho e para dar um abraço e ouvir mil vezes sobre o nascimento do bebê! Vamos nos apoiar?
Krys Rodrigues
Psicóloga – Doula